terça-feira, 29 de julho de 2008

Nostalgia...

Pintura de safira

A saudade hoje está comigo
Parece-me hoje familiar,
Porque esquecer eu não consigo,
Porque sem amigos é impossível continuar.

A saudade sabe a nada
A um nada que a nada cheira,
Um nada que tudo nos tira,
Que nos deixa nada que se queira
Que nada nos pode trazer,
Que dia após dia
Nos vê morrer.

Sinto-me vazia
Vazia de tudo, vazia de ti
Que te foste de repente
Que me abandonaste como uma brisa quente
Que nunca mais senti.

Olho agora lentamente para o infinito
Onde estarás tu no meio de tantas estrelas?
No meio de todo este mundo esquisito
Que daria para tingir centenas de bonitas telas.

Safira

2 comentários:

Flávio Monte disse...

Mais um belo quadro, mais um belo poema, muito sentido. Um pouco triste... mas os poemas mais belos, aqueles que mais nos tocam são,normalmente, os mais tristes.
Ainda que virtual, sou seu amigo e tenciono continuar a frequentar este seu cantinho.
Tem ido ao Dardomeu?

Flávio Monte disse...

NÃO PUBLIQUE

Neste poema, queira tirar o acento (Nostalgia), ou acrescentar u C (Nostálgica).

Espero que não me leve a mal! Considere isto do lado da amizade!