terça-feira, 1 de novembro de 2011

A Grécia e a Troika

Acabo de ligar a televisão e ouvir o que se está a passar na Grécia. Ainda estou incrédula com os acontecimentos. Mas o texto que abaixo me permito reproduzir é uma análise muito clara do problema que a Europa enfrenta.

"Não estou no segredo dos deuses, mas imagino que os líderes europeus, ao aprovarem, na passada semana, as importantes decisões financeiras que se projetam sobre a Grécia, não faziam a mais leve ideia de que o respetivo governo podia vir a ter a intenção de levar a cabo um referendo para legitimar internamente a respetiva aceitação. A reação dos mercados a esta decisão grega foi a que seria de esperar.
Há um "drama" com que a Europa tem de viver, por muito que lhe custe ou que até lhe possa vir a custar o futuro: a democracia interna dos seus Estados. Já aqui falei disso há semanas. Os equilíbrios de cada sistema político, as diferentes realidades nacionais e a sua difícil compatibilidade (em especial, temporal) com a dinâmica global dos mecanismos da União Europeia tornam o dia-a-dia do projeto integrador numa caixa de surpresas. Às vezes, não as melhores, como é, flagrantemente, o caso."

Este é o post integral que o nosso Embaixador em Paris, Dr. Seixas da Costa coloca hoje no seu blogue duas-ou-tres.blogspot.com sobre tão grave questão.
Porque do meu ponto de vista a análise não podia ser mais justa, faço minhas as suas palavras.
A grande diferença, infelizmente para mim, é que eu nunca acreditei neste projecto europeu, no qual, para além da moeda, são mais as realidades que nos distanciam do que aquelas que nos ligam. E sempre considerei que numa Europa a duas velocidades - pelo menos - uma moeda comum iria impor uma espécie de governo comum. O que de facto tem vindo a acontecer sem que tal governo tenha sido investido do respectivo poder...

HSC

Retirado do blog "Fio de Prumo"